Wesley Brandão Rodrigues foi acusado de operar o esquema na cidade de Marlborough

scam-648wO réu era o promotor da Wings Network, a qual a Comissão de Câmbio & Segurança (SEC) alegou tratar-se de uma companhia de marketing de multi-nível em Massachusetts que administrava um esquema internacional de pirâmide.

Um juiz federal determinou que um residente na cidade de Marlborough (MA) pagasse mais de US$ 162 mil em multas em virtude de sua participação em um esquema de pirâmide que tinha como alvo a comunidade latina.

O réu Wesley Brandão Rodrigues era o promotor da Wings Network, a qual a Comissão de Câmbio & Segurança (SEC) alegou tratar-se de uma companhia de marketing de multi-nível em Massachusetts que administrava um esquema internacional de pirâmide. As informações são do jornal MetroWest Daily News.

O SEC apresentou uma denúncia contra a empresa, envolvendo funcionários e promotores, em 2015 junto à Corte Federal Distrital de Boston. Na quarta-feira (31), um juiz federal determinou que Rodrigues teria que pagar US$ 162.404 de ressarcimento por ganho ilícito, juros e multas. O magistrado também proibiu por prazo indeterminado que o brasileiro ofereça, opere ou participe de qualquer programa de marketing ou vendas no qual ele seja pago somente ou basicamente por induzir outra pessoa a juntar-se ao programa.

Segundo a denúncia do SEC, a Wings Network começou a operar nos EUA em novembro de 2013, oferecendo produtos de telefonia digital, como aplicativos (apps) para telefones e armazenamento no cloud. Entretanto, a companhia dependia de vender a participação de novos investidores para arrecadar dinheiro, levantando pelo menos US$ 23.5 milhões em Massachusetts. Os fundos eram então usados para o pagamento de investidores iniciais para manter o esquema em funcionamento, conforme as autoridades.

“A propaganda da Wings Network sobre produtos visionários móveis era somente uma fachada para disfarçar um esquema clássico de pirâmide”, disse Paul G. Levenson, diretor do SEC na região de Boston. Particularmente, a Wings focava em imigrantes brasileiros e dominicanos, os quais os promotores da empresa atraíam através de reuniões realizadas em “centros de treinamento” em Massachusetts e outros estados.

Além de Rodrigues, o tribunal também emitiu vereditos contra 3 representantes da companhia e outros 11 promotores.

A SEC também emitiu denúncias contra os promotores Vinícius Rômulo Aguiar, Thaís Aguiar, Dennis Arthur Somaio, Elaine Amaral Somaio, Simônia de Cássia Silva, Geovani Nascimento Bento e Priscilla Bento, todos residentes em Marlborough na ocasião. Ainda segundo a Comissão, o litígio prossegue contra os promotores restantes e outros funcionários da companhia.

Créditos:
Brazilian Voice Publicado por Leonardo Ferreira, Fonte do jornal MetroWest Daily News

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump