Operação PF no Brasil contra quadrilha de imigração ilegal

policia federal 579Os “coiotes” conduziam os imigrantes ilegais pela fronteira mexicana mediante pagamento com duas opções de ingresso: na versão mais cara, o imigrante viajava todo trajeto em veículos, ônibus e aviões até ingressar em território norte-americano ao custo entre R$ 27 mil e R$ 30 mil.

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã da terça-feira, 10, a Operação Coiote com o objetivo de desarticular uma quadrilha que agia no Brasil e nos Estados Unidos promovendo a imigração ilegal de brasileiros. De acordo com a PF, os integrantes da organização criminosa atuavam como intermediadores para aquisições de vistos consulares para os Estados Unidos, utilizando documentos falsos junto às autoridades consulares do país norte-americano.

Entre os documentos falsificados constavam extratos bancários, contracheque falsos ou adulterados com valor superior ao efetivamente recebido pelo requerente, vínculos empregatícios inexistentes, declarações falsas de imposto de renda e declaração de bens, falsos vínculos com universidades, além de documentos que atestavam vínculos fraudulentos até com o Exército brasileiro.
Os “coiotes” conduziam os imigrantes ilegais pela fronteira mexicana mediante pagamento com duas opções de ingresso: na versão mais cara, o imigrante viajava todo trajeto em veículos, ônibus e aviões até ingressar em território norte-americano ao custo entre R$ 27 mil e R$ 30 mil; na mais barata, porém mais difícil, o imigrante passava até quatro noites caminhando até ingressar nos Estados Unidos, que teria um custo aproximado de R$ 15 mil por pessoa.

A operação ocorre, simultaneamente, nos Estados de Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rondônia, nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Piracanjuba, Governador Valadares, Uberlândia, Vitória, Rio de Janeiro e Vilhena.
Cerca de 200 policiais estão dando cumprimento a 54 mandados judiciais, sendo 43 conduções coercitivas, cinco mandados de busca e apreensão e seis mandados de prisão preventiva. Somadas, todas as penas podem chegar a 24 anos de reclusão.

Os alvos que se encontram fora do Brasil foram incluídos na lista de procurados da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol, na sigla em inglês), por meio da Coordenação Geral de Cooperação Internacional – CGCI/DIREX/DPF.

Fonte: Estadao
Conteudo

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump