Militares ‘ficham’ trabalhadores que moram em favelas no Rio de Janeiro

Seletividade na operação é o principal alvo das críticas: ‘Eu queria ver se isso algum dia vai acontecer no Leblon’.

O coletivo Maré Vive denunciou ações arbitrárias de militares no Rio de Janeiro, estado que está sob intervenção prevista até dezembro. “Estão fotografando todo mundo que sai das favelas Vila Kennedy, Coreia e Vila Aliança, na zona Oeste. Papo que tá rolando até fila nos acessos da comunidade”, afirmaram via redes sociais, em publicação que ultrapassou os 3 mil compartilhamentos.

“Eu queria ver se isso algum dia vai acontecer no Leblon, Ipanema, Flamengo, Laranjeiras, Barra…”, continuam, citando bairros nobres das zonas sul e oeste carioca. “Qualquer lugar que não a favela. Imagina: ia aparecer logo um advogado, um filho de juiz, um STF de toga (…) um jornalista vendido, dizendo que isso é proibido, que tá atrapalhando a livre circulação do cidadão de bem, que não tem motivo de fazer como todo mundo. Me poupem!”, completaram.
A seletividade na operação é o principal alvo das críticas, também dos internautas que interagiram com a publicação. “O cara do Leblon comenta que isso é para a segurança dos moradores, mas se fizer lá no condomínio dele, logo se veste de pato amarelo”, criticou um internauta. “Isso tem cara de fichamento, cadastro, sei lá. Como quiserem chamar, é um absurdo”, acrescentou o Maré Vive.

“A intervenção é uma ação pensada para as favelas cariocas. A classe média tá ai fazendo ‘textão’ de ditadura, tirando onda de sombra de medo, mas quem vai sofrer (e já está sofrendo) somos nós”, completou o coletivo.

A repercussão da crítica à intervenção militar nas favelas cariocas levou a discussões acirradas nas páginas do coletivo, que afirmou que “temos lado sim, somos parciais sim, temos nosso posicionamento crítico sim, nosso lado será sempre pela valorização e garantia da vida e dos direitos do povo das favelas e periferias que, historicamente, é criminalizado, oprimido e desrespeitado diariamente por esse governo corrupto, devastador e nefasto”, afirmaram em relação ao governo de Michel Temer (MDB), idealizador da intervenção.

O coletivo também direcionou parte de sua mensagem aos moradores, pedindo compreensão sobre a situação. “Falarei mais uma vez pra você que mora na favela que vive falando que ‘quem não deve não teme’, tema sim, pois os ‘esculachos’ serão ainda maiores. Mesmo assim, estamos lado a lado tentando ajudar da maneira que dá. E para os que não são da favela, vocês nunca entenderão a essência, a vivência, a pureza dessa resistência de luta.”

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump