Governador Patrick oferece Masschusetts para receber crianças

patrick_nice_manO Grupo Mulher Brasileira apoia a decisão do Governador Deval Patrick de oferecer o Estado de Massachusetts para receber crianças da América Central que estão atravessando a fronteira sozinha. Heloisa Maria Galvão, que presenciou o anúncio na manhã de sexta-feira disse que Patrick tomou a decisão certa. “Esta é uma questão humanitária”.
Em entrevista à imprensa na State House, em sala lotada de jornalistas e líderes comuitários, Patrick disse que as crianças serão abrigadas na Base de Bourne, no Cape Cod, ou na Base Aérea de Chicopee. Ele disse estar respondendo a um pedido do governo federal que pediu aos estados um espaço de aproximadamente 90 mil pés quadrados para receber até mil crianças. Desde outubro, 52 mil crianças atravessaram a fronteira sozinhas.
“É uma questão de amor ao país e de fé”, disse o Governador, cercado de líderes religiosos, entre eles o cardeal Sean O’Malley, Arcebispo de Boston. “O poder deste país vem de dar, não de tirar”, e lembrou que em 1939 “nós tomamos a decisão de devolver crianças judias e isso é uma mancha na nossa história”.
Não está absolutamente certo que as crianças virão, mas se vierem “vão precisar de brinquedos, de livros e de adultos”, ressaltou Patrick. A previsão é que as crianças fiquem entre 30 e 120 dias e não há possibilidade delas permanecerem no abrigo. “Eu entendo que as opções são deportação ou reunião com a família nos Estados Unidos”.
Deval Patrick estava visivelmente emocionado durante a entrevista que durou cerca de uma hora e disse que tomava a decisão também como pai. Ao responder a uma pergunta de uma repórter da Fox, foi ovacionado por quase 5 minutos:
– “Governador, como o senhor responderia aos críticos? Alguns governadores que estão concorrendo à reeleição se negaram a receber as crianças em seus estados. O senhor não está concorrendo à reeleição e aceita as crianças”.
Patrick demorou uns três minutos para responder. Olhos marejados, parecia lutar com a emoção e a insensibilidade da pergunta. Afinal, em voz baixa disse:
– “Essa não é uma decisão política”.
A sala explodiu em aplausos. “Acho melhor deixar assim”, disse Patrick e se retirou.
“Nós estamos 100% com o Governador e vamos ajudar no que for necessário”, dissse a diretora-executiva da organização, Heloisa Maria Galvão. “Embora não tenhamos conhecimento de crianças brasileiras vindo sozinhas, já fomos procuradas por uma mãe salvadorenha que nos pediu ajuda pra o filho de 15 anos que atravessou a fronteira sozinha e estava preso no Texas”.
Heloisa disse que o Grupo se colocou a disposição da Chelsea Collaborative, a organização comunitária que está tratando deste assunto. Gladys Vegas, a diretora, “me disse que já foram procuradas pelas famílias de 125 crianças, principalmente de Honduras, El Salvador e Guatemala. No final do mês haverá uma reunião sobre os recursos disponíveis para lidar com a situação e nós vamos estar lá”.
O Grupo Mulher Brasileira quer saber de qualquer criança que possa ter vindo sozinha. “Embora até agora não tenhamos informação de nenhuma criança brasileira vindo completamente só – a maioria vem com os pais ou a mãe ou o pai ou com uma pessoa que é paga para atravessá-las – nunca se sabe. Estamos aqui para ajudar no que for necessário”.

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump