Fracasso de público, sucesso de renda: venda de ingressos abre primeira crise na Copa América

Conmebol e COL estudam maneiras de aumentar presença de público nos estádios.

As imagens de estádios vazios nas cinco primeiras partidas da Copa América do Brasil abriram a primeira crise do torneio. Preocupados, os organizadores da competição agora discutem alternativas para resolver o problema.

Importante esclarecer: embora seja um torneio da Conmebol, entidade que manda no futebol sul-americano, a operação da Copa América fica a cargo do Comitê Organizador Local (COL), uma empresa formada no Brasil especialmente para este fim. A renda de R$ 22.476.630,00 dividida pelo número de 46.342 pagantes (como foi anunciado nos telões do estádio) resultaria num tíquete médio de R$ 485.

Não faz sentido. Havia quatro faixas de preço para o jogo do Morumbi: R$ 190, R$ 290, R$ 390 e R$ 590. Esses valores se referem ao preço inteiro. Estudantes, idosos, professores e pessoas com deficiência podem pagar meia. Outra ponto relativo ao jogo entre Brasil e Bolívia gera desconfiança: dias antes do jogo, a própria assessoria de comunicação do COL informou que os ingressos estavam esgotados.

Durante a partida, os telões do Morumbi informaram que havia no estádio 46.342 pagantes e 47.260 presentes – cerca de 20 mil pessoas a menos do que a capacidade do estádio.
Também sobre isso o COL foi questionado. E também não respondeu.

Vale ressaltar que o COL informou que os ingressos estão esgotados também para o jogo desta terça entre Brasil e Venezuela, em Salvador. Na véspera da abertura da Copa América, a organização informou numa entrevista coletiva que 65% dos ingressos haviam sido vendidos, e manifestou preocupação específica com dois jogos — que ainda não aconteceram.

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump