Engenheiro é morto durante assalto. Irmão da vítima foi assassinado da mesma forma há cerca de sete anos

mulherJá perdi um filho assim…  Meu Gabriel, não! Não acredito em mais nada dizia ao ser consolada.

“Outro filho assassinado, não!”, gritava Margareth. A dor é a de quem tem a história da família escrita com sangue. A tragédia mais recente em sua vida foi a morte de João Gabriel Macedo , de 29 anos. O engenheiro foi atingido por três tiros no peito pelos bandidos que levaram seu carro na Rua Ribeiro de Almeida, no Barreto, em Niterói, às 10h, desta quinta-feira. Há cerca de sete anos, Margareth passou pelo mesmo drama: seu filho Guilherme foi assassinado em situação semelhante.
A mãe da vítima ficou desesperada ao chegar à rua e encontrar o filho morto. Margareth desmaiou e foi amparada por amigos de João Gabriel.
Já perdi um filho assim… Meu Gabriel, não! Não acredito em mais nada  dizia ao ser consolada. A vítima tinha ido ao Barreto entregar material para uma obra no centro kardecista que frequentava há cerca de dez anos. Ele ajudava na reforma trabalhando voluntariamente como o engenheiro responsável. Os tiros deixaram marcas no muro do templo. Muitos amigos foram até o local e choraram ao lado do corpo.  Ele era um doce de pessoa. Pelo jeito de ser, acho impossível que tenha reagido ao assalto  lamentou uma amiga de João Gabriel, sem querer se identificar.
Uma testemunha disse que viu o carro da vítima saindo em direção à Rua Doutor March. Outra pessoa afirmou ter ouvido os disparos logo após dois homens a pé passarem por ela.
Eu estava em casa quando ouvi um barulho, depois outro e mais outro. No primeiro, pensei que fosse um pedaço de madeira caindo da obra. Em seguida, achei estranho e saí para checar. Fiquei desesperada ao ver um homem caído na calçada — contou uma moradora.
A Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí investiga o crime como roubo seguido de morte.

Índice de roubo de carros sobe 97% – A sensação de insegurança dos moradores de Niterói piora a cada ano. E com razão. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), os índices que mais aumentaram nos últimos quatro anos são os roubos de veículos e a pedestres: 97% e 40%, respectivamente.
Um morador da Rua Ribeiro de Almeida, onde aconteceu o assassinato, conta que já viu três carros serem levados na mesma noite. Em uma das ocasiões, havia crianças no veículo. Elas foram retiradas às pressas pelos parentes.
Estamos vulneráveis aqui. Essa rua e a Doutor March têm uma iluminação muito ruim  conta uma moradora, que não quis se identificar.

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump