Empresário brasileiro fatura R$ 2 milhões por ano vendendo brownies

brownier 591 -2O empresário Luiz Quinderé começou a produzir brownies aos 15 anos, na cozinha da casa dos pais.

Ele apostou em um produto sem nenhuma tradição no Rio de Janeiro. Mas hoje, a cozinha caseira ficou para trás e virou uma fábrica que produz 10 toneladas por mês.

Com 25 anos, Luiz Faturou R$ 2 milhões no último ano. Ele hoje fornece para 100 pontos de venda, e tem duas lojas próprias onde vende o doce. Cada um é vendido a R$ 5, e a lata com as bordas sai por R$ 20.

A HISTÓRIA (Contada pelo próprio Luiz Quinderé) – A ideia inicial surgiu em 2005, quando ainda era aluno do 1º ano do ensino médio e comecei a vender meu lanche trazido de casa dentro do colégio; fui incentivado por meus amigos que consumiam em poucos minutos tudo o que eu produzia e passei a levar cada vez mais brownies à escola, provocando descontentamento na cantina local. Após iniciar a fabricação, enxerguei a possibilidade de vender também um produto inovador ao qual não identifiquei qualquer tipo de concorrência no Rio de Janeiro: as sobras ou casquinhas do tabuleiro, embaladas dentro da lata do achocolatado utilizado na receita (tanto uma como a outra não eram aproveitadas anteriormente). Logo, o “Veneno da Lata” se tornou meu produto mais vendido, multiplicando o faturamento mensal na época. Foi então que percebi a necessidade das pessoas de encontrarem um doce caseiro, de boa qualidade, sem conservantes e de fácil acesso nos lugares onde circulam. Os brownies passaram a ser vendidos por unidade em diferentes tamanhos, tabuleiros, caixas de presentes e latas, diretamente para o os clientes e eventos, além de pontos de revenda como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, o Botequim Seu Pires , loja Reserva+, Casa Carandaí, Ler Café, entre outros. Após seis anos de trabalho manual e concentração dos investimentos na identidade visual da marca, além de forte divulgação boca-a-boca, fui indicado para participar do programa Mais Você na Rede Globo, com a apresentadora Ana Maria Braga. A repercussão foi enorme, gerando retorno de quase todas as partes do país e contribuindo para um aumento significativo na demanda pelo “Brownie do Luiz”. Logo me vi obrigado a aumentar o nível de produção, contratando dois funcionários e locando durante meio-expediente uma cozinha industrial para atender os pedidos que não cessam de chegar.

Notícias Relacionadas

Faça Um Comentário

O seu email não será publicado. Os campos requeridos estão marcados com *

A Semana » Developed by Truejump